O CUBO terminou em grande estilo

Depois de risos, esforço e atenção, a organização do CUBO concluiu seu trabalho, entregando um congresso de 3 dias, 71 atrações para 930 presentes. Da mente e dos braços de alunos, uma vivência importante foi oferecida na Faculdade. Pulando entre o colorido das salas, vez ou outra na Fundecto e no Anfiteatro Myaki Issáo, os visitantes acompanharam um pouco de tudo em Odontologia. Sobretudo o novo.

Além de ditar a cadência das palestras de melhor forma aos congressistas, no dia final a gestão ofereceu uma aula de Zumba, cortesia da instrutora Sabrina. A música continuou na área de lazer da faculdade em uma confraternização de encerramento do CUBO. Apesar das comemorações, o ritmo, tampouco, foi de folia. A recepção do Encontro de Odontopediatria foi um marco para o evento.

As docentes Dra. Ana Lídia Ciamponi e Márcia Turolla Wanderley exibiram conceitos sobre o atendimento de pacientes especiais e traumas dentários, respectivamente. Com o anfiteatro cheio, a arquitetura propiciava um ambiente compenetrado, porém aberto à plateia. A exposição, inclusive, ganhava tons de de debates, frente às dúvidas, prontamente respondidas, e comentários que surgiam.

A Dra. Ana Lídia estuda o assunto que abordou a fundo, dado que é a coordenadora do Grupos de Estudos e Atendimento a Pacientes Especiais (GEAPE). O atendimento multidisciplinar é muito importante nesse tipo de suporte, foco do trabalho nesse núcleo. No Congresso, essa consciência e os ensinamentos chegaram à um público bem diversificado, composto por alunos, profissionais da área e interessados em geral.

A professora Dra. Márcia, por sua vez, discorreu sobre a importância de notar as peculiaridades de cada caso de trauma. O próprio desenvolvimento da boca da criança é um fator crucial no momento de decidir o procedimento mais adequado, visto que o desenvolvimento da dentição permanente depende da absorção de parte da decídua. Comentou, além, como algumas crenças populares como a ausência de raiz nos “dentes de leite” atrapalham algumas intervenções profissionais, pois os pais acham que o processo de extração não é tão invasivo.

Enquanto isso, na sala roxa, a docente Dra. Luciana Saraiva explicava que doenças e manifestações periodontais podem sim aparecer em crianças e adolescentes, embora mais comuns em jovens. Isto posto, ela apontou tratamentos corretos para esses casos e em todo momento chamou atenção à reeducação desse jovem, porque dentro de odontopediatria, e odontohebiatria, prevenção é a palavra chave.

Mais cedo, o diretor científico da Associação Brasileira de Odontologia para Pacientes (Abope), Almir Oliva, pormenorizou a situação da odontogeriatria no país. Fora que detalhou o tratamento de pacientes com mal de Alzheimer e outras demências. Chamou atenção ao dia 21, da palestra, e também, da luta contra a síndrome neural.

Infelizmente, segundo ele, o cuidado da saúde bucal de idosos é uma área ainda mal trabalhada em terrenos tupiniquins, assim sendo instruiu o caminho para se tornar um odontogeriatra. O gerontólogo deve possuir conhecimentos biológicos, psicológicos e outros, de acordo com o Dr. Oliva espirituais. A prática multidisciplinar é a base de um atendimento referenciado ao idoso. Apontou também a nova realidade do dentista na UTI, sem preparo para lidar com a melhor idade.

Os integrantes do projeto Doutores da Alegria Raul Figueiredo e Soraya Saide compareceram a fim de expor a importância de um trabalho lúdico na saúde. Abordagem muito eficaz principalmente com crianças, idosos e pacientes em situações mais delicadas. A intervenção do grupo, por exemplo, se dá por meio da introdução do Palhaço no ambiente da saúde.

Outro viés muito interessante na odontologia é a reeducação da escovação. Ritual cotidiano de muitos, porém cheio de erros, em muitos casos, responsáveis por uma série de moléstias bucais. O Dr. Mario Giorgi, representando uma importante marca estrangeira de higiene pessoal, mostrou qual a melhor maneira de se manter os dentes limpos e intactos. De mais a mais, apontou o jeito certo do dentista trabalhar com seu cliente de modo que leve o cuidado do consultório a casa, tal como comentou o melhor da tecnologia em escovação.

As inovações apareceram em destaque no último dia de CUBO, talvez para deixar os congressistas com a cabeça instigada. Felipe Valverde, especialista em estética, comentou como o uso de scanners e moldadores digitais agiliza muito o seu trabalho, garantindo um serviço de qualidade, e consequentemente, clientes no consultório.

Renato Sartori e José Eduardo Rittes Carneiro, atualmente sócios, palestraram em salas diferentes, ao mesmo tempo. O primeiro contou sua experiência com aparelhos ortodônticos discretos, como o que Neymar usou. A fábrica com a qual trabalha, tem um sistema integrado e digital, que proporciona um tratamento prático e eficiente. E mais, ressaltou muito a importância de uma boa divulgação, principalmente em mídias sociais. Já o segundo veio falar do sistema CAD/CAM (escaneamento e modelagem digital), mostrou as ofertas do mercado, bem como sugeriu alguns modelos de negócio eficazes. Ambos sugeriram que o planejamento é essencial para todo cirurgião-dentista de sucesso.

Simultâneamente, na sala verde, a professora Dra. Neide Pena Coto destrinchou a elaboração dos produtos usados na Odontologia do Esporte. Nesse âmbito, os principais avanços são os novos materiais, mais eficazes do que a guta-percha, usada nos anos 20 do século XX, por Ted “Kid” Lewis. O Eva bastante utiliza, é muito eficiente por ser um material de alta elasticidade, e portanto, um excelente dissipador de energia cinética. A docente revelou, de qualquer maneira, as pesquisas em andamento com o intuito de conseguir matérias-primas ainda melhores para os protetores bucais.

Por fim, o Hands On  do dia lidou com um pequeno desastre ao qual todo endodontista está sujeito, a fratura do equipamento enquanto trata uma cárie profunda. Explicou o procedimento adequado para retirar o material estranho, à medida que demonstrava aos alunos, tendo suas mão ampliadas e reproduzidas nos monitores, que o acompanhavam em modelos.

Encerradas às exposições, todo congressista foi convidado para uma confraternização, onde reuniram-se na churrasqueira da Faculdade a fim de conversar, fazer amizades entre si e, principalmente, comemorar o sucesso do evento.

Afinal, as 8 diretorias, além da coordenação, do CUBO trabalharam desde o ano passado com o objetivo de entregar o melhor Congresso que poderiam. O resultado fica gravado na história da FO, em virtude das novidades. O simpósio de antigos alunos, o Encontro de Odontopediatria, a abordagem do espaço informal, algumas empresas inéditas, foram conquistas que ficaram de exemplo às próximas gerações.

O Cubo acabou, mas com “gostinho de quero mais”. Contudo, a certeza de um novo no ano seguinte é o conforto de muitos!

Skip to content