(Português) Cirurgia Ortognática: quando é indicada e como funciona o procedimento

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A cirurgia ortognática é uma técnica utilizada para corrigir alterações de crescimento dos maxilares, conhecidas como anomalias dentofaciais, as quais podem originar distúrbios da mordida, articulações e respiração, e também repercutir na estética facial. Trata-se, portanto, de um procedimento estético-funcional capaz de restaurar a harmonia facial e a função mastigatória.

Esta técnica é indicada para vários tipos de anomalias ósseas, desde crescimentos deficientes a exagerados, em todos os sentidos. Para que possa ser realizada, após a diagnóstico da condição do paciente, várias avaliações são feitas para planejar a melhor forma de tratamento. Na criança, normalmente tenta-se corrigir o problema com o uso de aparelhos ortodônticos e ortopédicos que atuem também no crescimento ósseo. Porém, quando o portador da anomalia for adulto, o tratamento ortodôntico isolado não será suficiente para a correção, porque o processo de crescimento da face já terá se encerrado. Nesses casos,  a cirurgia ortognática será necessária para a correção completa do problema.

De acordo com o docente do Departamento de Cirurgia, Prótese e Traumatologia Maxilofaciais, Prof. Dr. Fernando Melhem Elias, em alguns casos excepcionais, pode-se realizar o procedimento cirúrgico antes do final do crescimento ósseo, quando o paciente ainda for criança: “Isso acontece quando as deformidades são muito severas e causam no paciente alterações da estética facial que dificultam o convívio social e trazem consequências psicológicas importantes”. Nesses casos, uma segunda correção pode ser necessária no futuro, após o término do crescimento do indivíduo.

Como preparo para a cirurgia, o paciente deve ser submetido a um tratamento ortodôntico, no qual a posição dos dentes é corrigida em função das bases ósseas: os dentes superiores em relação à maxila e os inferiores à mandíbula. Nesta fase, não se deve buscar um melhor encaixe entre os dentes superiores e inferiores, ou seja, a correção da oclusão dentária. “O trabalho do ortodontista é o de preparar as arcadas dentárias para que o cirurgião corrija a oclusão no momento da cirurgia, com a movimentação das bases ósseas”, explica o Prof. Fernando.

Uma vez finalizado o preparo ortodôntico, é realizada a simulação da cirurgia, atualmente por métodos virtuais no computador. Com ela, cirurgião e paciente podem avaliar todas as possibilidades e visualizar os resultados estéticos com bastante precisão.

Após o procedimento cirúrgico, o paciente pode encontrar algumas dificuldades. A alimentação, higiene e fonação podem ser momentaneamente prejudicadas pelo inchaço acentuado dos tecidos moles. Apenas alimentos líquidos são permitidos e uma dieta balanceada é aconselhada. “Costuma ser mais difícil na primeira e segunda semanas. Geralmente com 30 dias o paciente já está apto a iniciar o retorno gradual às atividades rotineiras”, conclui o docente.

O resultado final é obtido após seis meses, sendo sempre importante o acompanhamento do cirurgião-dentista em todas as fases do pós-operatório. Neste período é realizada a finalização ortodôntica, ajuste fino da mordida, que geralmente dura de 3 a 6 meses. Só após essa fase será possível retirar o aparelho ortodôntico.

Existem três problemas principais que podem afetar a qualidade de vida do paciente que não procura por tratamento. Além das alterações estéticas, o portador das anomalias dentofaciais pode apresentar problemas funcionais e respiratórios. A articulações da mandíbula e a musculatura facial podem ser afetadas, causando dor e problemas de mastigação.

texto: Gabrielle torquato

fotos: arquivo pessoal do docente

Skip to content