(Português) FOUSP na midia: E se não tivéssemos política de combate à Aids?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

publicado na Folha de São Paulo

Ana Estela Haddad, professora associada da Faculdade de Odontologia da USP, em seminário promovido pela Folha – Reinaldo Canato – 5.dez.18/Folhapress
Ana Estela Haddad

O atual ministro da Saúde afirmou a esta Folha ter ressalvas à política de combate à Aids e disse não acreditar nas campanhas de prevenção nas escolas e unidades de saúde. Reportagem da revista Exame ouviu infectologistas, preocupados com retrocessos nessa política.

A afirmação causa estranhamento. Lembro-me, na década de 80, da descoberta da doença. Perdemos ídolos, como Freddie Mercury, que inspirou o filme “Bohemian Rhapsody”, Cazuza, Renato Russo. Eu era estudante de odontologia, fazíamos o atendimento clínico dos pacientes sem luvas descartáveis, com exceção dos procedimentos cirúrgicos.

Fomos mudando, enquanto a ciência desvendava os mistérios daquela doença fatal.
Apesar do avanço nas pesquisas, a Aids ainda não tem cura, mas graças a políticas que atravessaram governos de diferentes partidos houve mudanças no comportamento sexual (campanhas de prevenção), no diagnóstico precoce e no acesso democratizado aos caros medicamentos de tratamento.

As pessoas acometidas, independentemente da sua condição econômica, sobrevivem, o que não acontecia no passado. Os protocolos para gestantes portadoras do HIV resultaram em 43% de redução na transmissão vertical. Houve casos em que o contágio se dava por meio da transfusão de sangue, o que custou a vida de Henfil, que era hemofílico. Adotaram-se os testes de Aids nos serviços de hemoterapia.

Na formação médica, vale o juramento de Hipócrates (Declaração de Genebra, 2017, adotada pela Associação Médica Mundial):
“[…] ““ Guardarei o máximo respeito pela vida humana;
““ Não permitirei que considerações sobre idade, doença ou deficiência, crença religiosa, origem étnica, sexo, nacionalidade, filiação política, raça, orientação sexual, estatuto social ou qualquer outro fator se interponham entre o meu dever e o meu doente;[…]”

No Brasil, a Aids não está entre as principais causas de mortalidade, e a expectativa de vida tem níveis próximos à de países desenvolvidos, embora marcado por grandes desigualdades. Países da África, ressalvadas diferenças sociais, culturais e econômicas, não tiveram a mesma trajetória. A expectativa de vida chegou a 38 anos antes do tratamento com os antirretrovirais. E lá estão mais de 90% das crianças órfãs, chegando a 10 milhões, que perderam seus pais para a doença.

Recentemente, numa banca de doutorado da Universidade de KwaZulu-Natal (África do Sul), soube que a Aids acomete 19% da população, e um desafio é o diagnóstico das alterações de pele nas fases iniciais da doença. Eles têm um dermatologista para cada 300.000 habitantes. O estudo propõe um serviço de telemedicina em dermatologia para o enfrentamento do problema.

O Brasil tem o programa Telessaúde Brasil, desde 2007, e o modelo brasileiro recebeu o reconhecimento da Organização Panamericana da Saúde (2011).

O SUS, direito constitucional conquistado, se efetivou com impactos inquestionáveis nos indicadores de saúde, com ampla participação social, dos entes federados, e na abrangência das áreas temáticas na estrutura do Ministério da Saúde. Analisar a história para formar opiniões e tomar decisões baseadas em evidências pode evitar retrocessos que coloquem a perder a saúde e a vida das famílias brasileiras, nas suas diversas composições.

Ana Estela Haddad

Cirurgiã-dentista, professora associada da Faculdade de Odontologia da USP e ex-diretora de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (2005-2012, governos Lula e Dilma)

Skip to content