FOUSP na midia: Periodontite possui dois ‘estágios’

publicado na Revista Encontro

Problemas na gengiva são fruto da má higiene bucal

A periodontite, doença  inflamatória que afeta a gengiva e o osso que segura os dentes afeta 99% dos brasileiros, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com o dentista Cláudio Pannuti, professor da Faculdade de Odontologia da USP, existem duas formas de doença periodontal: gengivite e periodontite. A primeira é a forma inicial e afeta apenas a gengiva. É caracterizada por sangramento, que pode ocorrer, por exemplo, quando a pessoa escova os dentes. Já a segunda é a fase mais aguda, que chega a atingir os ossos.

“As doenças periodontais são causadas por diversos fatores. O principal é o acúmulo de bactérias na superfície dos dentes, que, por sua vez, é consequência da má higiene bucal. Alguns fatores podem acelerar o avanço da periodontite. Por exemplo, pacientes que fumam perdem o osso num ritmo bem mais acelerado do que os pacientes que não fumam. Consequentemente, fumantes perdem mais dentes do que não fumantes. Por isso, é importante manter bons hábitos de saúde, tais como ter uma boa higiene bucal, alimentação saudável e não fumar, para prevenção das doenças periodontais”, orienta o professor.

Ainda conforme o especialista, as doenças da gengiva costumam ser “silenciosas”, ou seja, não causam dor e, normalmente, não incomodam o paciente. “Isso é um problema, pois o autodiagnóstico é prejudicado. O paciente só começa a perceber a periodontite quando ela está em estágio muito avançado, isto é, quando os dentes estão com perda óssea grave. A doença periodontal pode ter impacto na qualidade de vida do paciente. Por exemplo, os dentes com mobilidade podem afetar a mastigação do paciente. A perda de dentes causada pela periodontite também prejudica a mastigação e até mesmo a fala”, comenta o dentista.

Existem estudos que comprovam que pessoas que têm periodontite podem ter mais chances de desenvolver outras doenças, como as do coração, as respiratórias e o diabetes tipo 2. “Isso acontece porque as bactérias que estão no dente, abaixo da gengiva, podem passar para a corrente sanguínea e serem transportadas para outros locais do corpo, como coração, cérebro, fígado e vasos sanguíneos de grande porte. Nestes locais, podem provocar uma inflamação local, que pode resultar em doenças”, esclarece Cláudio Pannuti.

Skip to content