(Português) FOUSP na midia: Momento Odontologia#15 Na edição de hoje o assunto é “emergências médicas em Odontologia”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

publicado no Jornal da USP

As emergências médicas durante o atendimento odontológico configuram aquelas situações onde existe o risco de morte e, portanto, ações devem ser feitas prontamente, de forma mais correta e rápida possível. Ainda que essas situações possam ocorrer em qualquer momento da vida, o atendimento odontológico propicia condições que podem facilitar essas ocorrências; podemos citar como exemplo a ansiedade e o medo do tratamento dentário. Obviamente é responsabilidade do cirurgião-dentista saber prevenir, reconhecer e tomar as medidas adequadas para a solução desses acontecimentos. Pessoas que apresentem morbidades importantes também se preocupam com sua saúde bucal. Como existe cada vez mais  a percepção que a saúde bucal está relacionada com a saúde geral das pessoas, o público dos atendimentos odontológicos tem se diversificado e, com isso, o aumento no número de emergências médicas  durante o atendimento.

Por  – Editorias: – URL Curta: jornal.usp.br/?p=243854
Momento Odontologia#15 Na edição de hoje o assunto é “emergências médicas em Odontologia”

Momento Odontologia – USP

Download file | Play in new window | Duration: 4:11

A prevenção se faz conhecendo adequadamente a saúde de seu paciente. A avaliação pré-operatória de pacientes que irão se submeter a tratamento odontológico, do ponto de vista sistêmico, deve ser completa, detalhada e exige conhecimento acurado do cirurgião-dentista em reconhecer as manifestações de diferentes patologias.

A anamnese bem conduzida propiciará o reconhecimento de fatores de risco que levarão o profissional a adaptar a sua conduta terapêutica. Estudos têm mostrado que uma parcela importante da população chega à consulta odontológica em condições médicas que exigem a adequação do profissional na conduta do tratamento dentário. Eles mostram que pacientes hipertensos ou com problemas cardiovasculares predominam em relação a outras doenças. Há ainda uma importante parcela da população que chega ao cirurgião-dentista sob o efeito de diferentes medicações, sejam elas prescritas por médicos ou muitas vezes como auto-medicação.

Com isso o profissional poderá reconhecer diferentes situações clínicas que podem influir no tratamento odontológico: ansiedade e medo desproporcionais ao atendimento, alergias a diferentes medicamentos (antibióticos, analgésicos entre outros) e mesmo aos utilizados durante o atendimento, como por exemplo, os anestésicos locais. Outros  casos podem ser citados como os pacientes imunodeprimidos, portadores de doenças infectocontagiosas, portadores de cardiopatias, idosos entre outros. É obrigação do profissional de odontologia reconhecer e avaliar todas as variantes que podem influir nas adequadas condições dos pacientes em seus atendimentos.

As situações de maior ocorrência estão relacionados ao medo e ansiedade. Se não forem rapidamente reconhecidas pelo profissional, poderão levar o paciente a inconsciências, na prática, desmaios na cadeira odontológica. O reconhecimento dos sintomas estabelecerá a diretriz do tratamento. Detectar os sinais vitais do paciente, (resposta a estímulos, pulso e respiração) darão indicações ao profissional sobre a gravidade do ocorrido. Na ausência desses sinais, o cirurgião-dentista deverá solicitar o mais rapidamente possível o socorro adequado, acionando o serviço de resgate e no caso de uma parada cardiorespiratória deverá saber efetuar a manobras de suporte básico de vida  (reanimação cardiorespiratória de forma correta) para a manutenção da vida até a chegada da equipe especializada. Nesses casos, é importante que a equipe de trabalho esteja capacitada para auxiliar adequadamente o cirurgião-dentista e o consultório odontológico tenha boas instalações físicas e equipamentos adequados. Em outras situações é possível que o profissional tenha que administrar medicamentos que possam minimizar os efeitos clínicos, como antihistamínicos ou epinefrina. Em todos os casos o profissional deve dominar os efeitos dos medicamentos e indicá-los corretamente.

O mais importante a se realçar é que o cirurgião-dentista capacitado tem todas a ferramentas e conhecimento para evitar essa situações, reconhecê-las e solucioná-las. A empatia entre profissional-paciente é fundamental para se evitar situações relacionadas ao estresse e suas consequências.

Ficha técnica:

Edição sonora: Gabriel Soares

Vinheta: Lais Lima Pelozo e Paola Mira

Produção: Rosemeire Talamone e Alexandra Mussolino de Queiroz

Para receber atualizações com novos episódios, assine o feed do podcast Momento Odontologia. Estamos também no Spotfy, no iTunes, Google Podcasts, entre outros apps.

E toda segunda-feira, às 8h05, na Rádio USP (93,7 FM em São Paulo, 107,9 em Ribeirão Preto e streaming).

Skip to content