(Português) CEPEC viabiliza o início de novas pesquisas na Universidade

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Por ser populoso e com uma sociedade diversificada, o Brasil se destaca como um dos países mais propícios aos testes clínicos. Apesar de se manter na liderança entre as nações latinas, o número de pesquisas ainda continua consideravelmente baixo quando comparado a outros países. Segundo o Instituto de Clinical Trials, em 2017 o Brasil contava com 2,3% de todas as pesquisas clínicas do mundo.

Mediante essas estatísticas, o pesquisador brasileiro precisa de todo apoio necessário para manter seus estudos em andamento. Ajuda oferecida pelo Centro de Pesquisas Clínicas da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (CEPEC).

Serviços e Estrutura

As instalações do CEPEC abrangem uma quantidade considerável de possibilidades de pesquisa. Totalmente equipado e com áreas de esterilização, sala de medicação, consultórios e sala de espera, o Centro fornece todos os meios para que um pesquisador inicie seus estudos. “Estamos ansiosos para o ver funcionando e dando a chance de outros acadêmicos e empresas poderem desenvolver suas ideias”, conta a Profa. Dra. Daniela Raggio, do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria e atual Presidente do Conselho Deliberativo do CEPEC.

Mas, além do espaço físico, o Centro também pode auxiliar pesquisadores e firmas no delineamento de projetos de pesquisa, assim como realizar consultorias específicas. Empresas que tenham interesse em realizar pesquisas clínicas para teste de produtos ou até mesmo para regulamentação na ANVISA podem fechar contratos que abrangem desde o delineamento até a equipe de pesquisadores para efetuar a mesma.

A Profa. Dra. Daniela acredita que essa seja a oportunidade de organizar e contabilizar, de maneira mais efetiva, as pesquisas clínicas realizadas na unidade. “É importante ter um registro em números, precisamos ter um controle até mesmo para gerar um relatório e na divulgação do trabalho científico”, conta ela. O CEPEC já foi colocado a disposição da Pró-Reitoria de Pequisa para ser parte da central multiusuários da Universidade.

Pesquisas

Uma das pesquisas que já estão sendo desenvolvidas no CEPEC é a da doutoranda Renata Marques, orientada pelo Prof. Dr. Fausto Medeiros Mendes do Departamento de Odontopediatria.

Renata Marques

A pesquisa visa avaliar dois tipos de tratamentos para endodontia em dentes de leite. “Buscamos comparar a instrumentação tradicional com a  reciprocante. Sabemos que em adultos a segunda acelera o tratamento”, conta Renata. No caso de atendimentos em crianças, o tempo do procedimento é essencial para o sucesso do tratamento, devido a dificuldade em manter crianças menores na cadeira.

Os dentes de leite são muito importantes para qualidade de vida. Além da mastigação e fonética, são essenciais para garantir a saúde da dentição permanente. “Infecções localizadas em dentes de leite podem prejudicar diretamente o futuro da saúde bucal daquela criança. Por isso, em alguns casos de cáries profundas ou traumatismos dentários, o canal pode ser o tratamento de escolha”, explica a doutoranda.

A pesquisa reuniu pacientes de 3 a 9 anos que estivessem procurando por tratamento endodôntico. Após um processo de triagem, a doutoranda realizou a seleção de 151 dentes que se incluíam nos critérios de seleção. Sendo alguns deles: a não reabsorção de mais de dois terços da raiz, não reabsorção interna e uma coroa do dente passível de restauração.

Após o procedimento, a doutoranda iniciou o processo de acompanhamento. Durante dois anos ela irá avaliar os pacientes a cada seis meses. O segmento inclui qualquer tipo de tratamento que as crianças possam precisar e exames radiográficos para avaliar a eficácia dos procedimentos endodônticos.

O CEPEC proporciona que essa e muitas outras pesquisas possam ser desenvolvidas. “Eu não sei se teria disponibilidade de consultório, como eu tenho aqui. A disponibilidade, a facilidade de todo equipamento e a possibilidade de deixar como se fosse um consultório particular. É uma privacidade que faz diferença no atendimento a crianças”, finaliza Renata.

 

Para a realização de pesquisas no CEPEC, é necessário cadastrar-se pelo link

Texto e fotos: Gabrielle Torquato

Skip to content