(Português) LELO – aos olhos de seu fundador

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Atendimento no primeiro espaço do LELO

O Laboratório Especial de Lasers em Odontologia (LELO) é um dos laboratórios em laser com reconhecimento mundial. Sua história na FOUSP se construiu em meio à pesquisa e a força de vontade de seu fundador, Prof. Dr. Carlos de Paula Eduardo, que estuda o uso de lasers em odontologia há quase 30 anos.

Em seus 24 anos, o LELO acumula centenas de pesquisas científicas, auxiliando na formação de mais de 1000 profissionais que já passaram por seus cursos e na defesa de 165 dissertações no Mestrado Profissional e mais de 100 teses na pós-graduação da faculdade.

O começo

Tudo começou em 1990, quando o Prof. Carlos observava pela primeira vez os efeitos do laser em pacientes. Instigado com as novas possibilidades, iniciou uma pesquisa sobre o equipamento a fim de checar sua eficácia na redução microbiana. “Eu tinha uma vontade muito grande de desvendar certos mistérios e eu achava que o laser poderia ser a saída para isso”, fala.

 

 

No mesmo ano, o professor participou de um intercâmbio para a Universidade de Kyushu, em Fukuoka, no Japão, apoiado pelo Prof. Dr. Myaki Issao, diretor da FOUSP nessa ocasião. Acompanhado dos Prof. Toshio Morioka e Tetsuo Saito, participou do 2º Congresso da Japanese Society Laser in Dentistry, a fim de presenciar o lançamento do laser japonês de baixa potência. “Era um mundo novo e isso me entusiasmou muito, a partir daí o crescimento do laser foi exponencial”, afirma Prof. Carlos.

Em 1994, o professor realizou outro intercâmbio ao Japão, na Universidade de Showa (Projeto Fapesp), acompanhado do Prof. Dr. José Luiz da Silva Lage Marques. Estava determinado a começar o estudo do laser na FOUSP. Em 1995, fundou o Laboratório Especial de Laser em Odontologia (LELO), apoiado fortemente pelo Prof. Dr. Edmir Matson, diretor da FOUSP nessa época.

Apesar de sua criação ocorrer em 1995, o LELO se consolidou na faculdade em 2002, na sua terceira versão. Durante o período inicial, o laboratório passou pela sala onde hoje se encontra a secretaria do Departamento de Dentística e até mesmo no espaço onde atualmente se aloca o almoxarifado da Clínica.

Em 2000, o então Diretor da FOUSP, Prof. Dr. José Fortunato Ferreira Santos, apoiou e disponibilizou a área em que foi construída a instalação do 3º LELO, inaugurado em 2002. Com mais consultórios e sala de aula, o LELO expandiu seus atendimentos à população e a produção de pesquisas. Em 2005 conseguiu complementar o time com a contratação das Profas. Dras Ana Cecilia Correa Aranha e Patrícia Moreira de Freitas para desenvolverem pesquisa, ensino e clínica na área de Lasers, sendo atualmente as Vice-Coordenadoras do LELO-FOUSP.

 

 

Parceria com o IPEN

Lasers de alta e baixa potência

Uma parte importante do processo de crescimento do LELO se deve a parceria com o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). “Uma das maiores vantagens do LELO é ser vizinho do IPEN. Eles ajudaram muito trazendo uma base científica aos pesquisadores”, explica Prof. Carlos.

Em 1999, o Mestrado Profissional de Laser em Odontologia era realizado em conjunto entre o instituto e a FOUSP. Cirurgiões-dentistas de todo o Brasil passavam uma semana se especializando no tema revezando aulas entre os prédios.

O conhecimento sobre o equipamento é tão importante quanto a odontologia. “Temos lasers com diversos comprimentos de onda, cada um tem uma ação. Você tem que entender o que está por trás, não pode ser só a aplicação”. Atualmente, muitos pesquisadores da área de odontologia são incentivados a continuarem suas pesquisas no IPEN. Ao todo foram 165 defesas no mestrado profissional, realizadas a partir da união das duas instituições.

 

O medo do novo e o início do sucesso

Com o início dos estudos do laser no Brasil, muitos profissionais ainda se sentiam inseguros com o novo equipamento. Pouco se conhecia sobre seus efeitos em tecidos moles e as pesquisas ainda eram prematuras. “As pessoas às vezes brincavam comigo nos corredores. Perguntavam como estava a ‘luzinha’ e se ‘estava queimando muito a gengiva’. Costumo dizer que o novo assusta a todos”, conta.

Apesar da incerteza, o professor nunca desistiu de continuar suas pesquisas. Segundo ele, a chave para o sucesso do laser é o comprometimento e conhecimento científico. “Eu estava vendo os resultados, sua ação analgésica e anti-inflamatória. Cada dia era uma novidade e nós íamos ficando mais entusiasmados”.

Importância científica

Prof. Dr. Carlos de Paula Eduardo

Após anos de trabalho, o LELO se consolidou como uma das referências em laser no Brasil. Se tornou o berço de muitos profissionais que buscaram expandir seus conhecimentos sobre o tema. Para o professor Carlos esse é um dos maiores legados do LELO, pois hoje é possível afirmar que muitos profissionais, de quase todos os estados do Brasil, já passaram pelo laboratório.

“São 29 anos de estudo. Eu costumo dizer que todos os dias a gente continua aprendendo com o laser. Eu acho muito importante o conhecimento científico. Acho muito importante utilizar protocolos seguros, conhecimento. E essas pesquisas têm a finalidade de levar um beneficio social à população. O laser já tem uma posição consolidada. No meu entender foi um salto quântico da odontologia”, finaliza o Prof. Carlos.

Skip to content