FO

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Publicado em Agência Universitária de Notícias

Os dentes podem revelar muito mais do que aparentam. Esse é o papel da odontologia legal, que busca auxiliar a justiça por meio de perícias dentárias. Um estudo realizado na Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP) busca facilitar o processo de estimativa de idade de crianças e adolescentes através do estágio de mineralização dos dentes. A pesquisa, comandada por Eduardo Novaes Benedicto, aplicou três métodos desenvolvidos com populações de outros países a uma amostragem brasileira, e tomou o modelo sueco de Liliequist & Lundberg como o mais condizente com a realidade do País.

Principal base de definição para idade fisiológica humana, o processo de mineralização dentária consiste no grau de maturação dos tecidos que compõem a estrutura dos dentes permanentes. A análise é feita por meio de radiografias panorâmicas e indicativos pré-estabelecidos. Além do método de Liliequist & Lundberg (1971 – Suécia), foram avaliados também os de Haavikko (1974 – Finlândia) e Mornstad et al (1994 – Suécia), que se mostraram mais trabalhosos e menos confiáveis, apesar de ainda aplicáveis. O método de Liliequist & Lundberg avalia todos os dentes permanentes inferiores do lado esquerdo, com exceção do siso e classifica-os de acordo com os oito estágios de mineralização definidos pela técnica. “Ao final, estes números são somados e o resultado da soma é encontrado em uma tabela que estima a idade do indivíduo de acordo com o valor obtido”, explica o pesquisador.

Imagem ilustrativa dos oito estágios de mineralização de dentes multirradiculares (acima) e unirradiculares (a baixo) definidos pelo método de Liliequist & Lundberg

Identificados os dentes, cada um é classificado e recebe uma pontuação individual denominadaescore (0; 0,5; 1; 2; 3; 4; 5; 6). Originalmente, os sete escores eram somados e o número obtido comparado a uma tabela que fornecia uma faixa de idade no qual o indivíduo era enquadrado, levando em consideração o sexo biológico. Entretanto, um estudo feito posteriormente por Hägg e Matsson estabeleceu uma nova tabela de referência que determina linearmente a idade do indivíduo. Aumentando a precisão do método.

A estimativa de idade é um dos primeiros passos para a identificação de seres humanos, e essa diferenciação entre populações torna a validação dos métodos, e a criação de fórmulas de regressão que visam adaptá-los ao contexto nacional, em um passo essencial para o avanço e eficácia da odontologia legal. Segundo o pesquisador, em algumas perícias, a estimativa da idade da pessoa era prejudicada porque a maioria dos métodos – em especial aqueles que se baseiam no estágio de mineralização dos dentes – foram criados com base em povos distintos do nosso. “As populações originais dos estudos – suecas e finlandesa – tem características completamente diferentes da nossa. São mais homogêneas em comparação com a brasileira, devido a miscigenação histórica que aconteceu em nosso país”. A validação dos métodos, dessa forma, é fundamental para que possamos verificar a aplicabilidade de uma metodologia criada especificamente para uma população, em uma outra diferente da original.

Com base nisso, Eduardo destaca a facilidade de aplicação demonstrada pelo estudo “O método de Liliequist & Lundberg pode ser aplicado na população brasileira com agilidade e confiança”, declara. Para isso, é necessário classificar os estágios dos dentes e inserir os valores na fórmula criada, diminuindo a complexidade e o tempo de obtenção dos resultados. Além de uma ótima alternativa para a população brasileira, o método ainda mostrou-se superior aos demais por sua agilidade, característica essencial aos profissionais da área. “Esta pesquisa permite que um profissional, em geral um médico-legista, odonto-legista ou antropólogo forense, que precisa estimar a idade de uma pessoa, seja ela viva ou falecida, possua uma ferramenta a mais à sua disposição”, conclui o pesquisador.

Skip to content