(Português) VI Congresso de Odontologia Forense homenageia Prof. Dr. Moacyr da Silva

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Nos dias 3, 4 e 5 de outubro de 2019, a FOUSP sediou o VI Congresso de Odontologia Forense, um evento muito aguardado pelo Departamento de Odontologia Social e que neste ano homenageou um grande docente da casa, o professor emérito Moacyr da Silva, falecido em setembro do ano passado.

Abertura

Durante a cerimônia de abertura, estiveram presentes o Diretor Prof. Dr. Rodney Garcia Rocha, o Presidente da Fundação Prof. Dr. Atlas Edson Moleros Nakamae, a Chefe do Departamento de Odontologia Social Profa. Dra. Simone Rennó Junqueira, o Professor responsável pelo Laboratório de Antropologia Forense e Presidente do Congresso Prof. Dr. Rodolfo Francisco Haltenhoff Melani e o Prof. Dr. Thiago Leite Beaini, ex-aluno do laboratório.

Para o início dos discursos, o Prof. Rodolfo fez uma fala marcante sobre a importância histórica e científica do congresso. “A Odontologia Forense é uma aliada da democracia pois é contra as narrativas falseadas e é alimentada pela verdade”. O Docente também homenageou o Prof. Dr. Moacyr da Silva e a Profa. Dra. Ida Tecla Prellwitz Calvielli pelo belo trabalho que realizaram no Departamento.

O Diretor expressou orgulho em sua fala. Agradeceu a presença de todos e esforço dos docentes do Departamento de Odontologia Social que há 50 anos colaboram com conhecimento da ética e odontologia legal no Brasil, principalmente o Prof. Moacyr, que dedicou sua vida ao ensino desta área no país. “É muito prazeroso fazer a abertura de um evento dessa magnitude”, finaliza.

Congresso 

Durantes os três dias de Congresso, profissionais de várias áreas apresentaram suas rotinas de trabalho e discutiram temas pertinentes para Odontologia legal no Brasil. Os temas foram desde técnicas de arqueologia até o uso de tecnologia na resolução de crimes.

  1. Arqueologia 

Profa. Dra. Daniela Vitorio Fusinato

Prof. Dr. Thiago Leite Beaini

Para iniciar as discussões sobre arqueologia, a convidada foi a Profa. Dra. Daniela Vitorio Fusinato. Com conhecimento amplo sobre o tema, a especialista mostrou como é feita uma escavação de forma correta e detalhista. Para a professora, o segredo para a efetividade está na preservação dos objetos e no cuidado da coleta, até mesmo dos ossos menores.

Continuando a discussão, o Prof. Dr. Thiago Leite Beaini, mostrou como a tecnologia tem facilitado alguns processos. As perícias em ambiente virtual são essenciais para a preservação dos objetos, pois não precisam ser constantemente manuseados. Essa técnica foi muito útil, por exemplo, no caso do “homem de gelo” congelado por 5.300 anos e que quando encontrado precisava estar em ambientes similares para manter a conservação. Seu estudo só foi possível com mais facilidade, após o uso de scanners e perícia em ambiente virtual.

 

2. Identificando lesões

O Congresso também abordou como é feita a identificação de lesões e seus impactos na vida dos sobreviventes. Para início de conversa, o Prof. Dr. Nilo Jorge Rodrigues Gonçalves explicou as características das perdas produzidas por arma de fogo. Nesses casos, o médico legista deve levar diversos aspectos em consideração, como por exemplo, o tipo de bala, o ângulo de perfuração e até mesmo se é uma ferida de entrada ou saída. Todas essas variáveis podem influenciar na hora de identificar o atirador e solucionar o crime.

Em uma questão mais ampla, o Prof. Dr. Eduardo de Meneses Gomes explicou como é feita a classificação de lesões corporais, sendo elas: leve, grave e gravíssima. Dependendo da magnitude, o culpado pelo crime pode ser julgado com mais detalhes e assim obter uma pena justa. O principal ponto levado em consideração é o impacto da lesão na vida dos sobreviventes.

Esta área também pode ser relacionada com o trabalho do Prof. Dr. Mário Marques Fernandes. Em pesquisa, o professor estudou como lesões faciais afetam a vida do paciente e mudam a forma como a população os enxerga. Um aspecto muito importante da avaliação está justamente na gravidade da lesão e a forma emocional como ela impacta que a vê.

 

 

3.  Violência contra mulher

Profa Dra. Luciana Bruzadin

Infelizmente, muitos casos de agressões no Brasil envolvem mulheres. Neste contexto, o Congresso separou duas palestras apenas para discutir o problema e esmiuçar os detalhes de investigação e métodos de recuperação das sobreviventes.

Profa. Dra.Jamilly de Oliveira Musse

Um dos casos mais comuns é a violência doméstica. Em todo o mundo uma a cada cinco mulheres vão sofrer agressões físicas dentro da própria casa. Muitas vezes, as lesões são bucais e ocasionam a perda de dentes ou até mesmo fraturas mais graves. As sequelas são tanto físicas quanto emocionais.

Para falar de recuperação, a convidada Profa Dra. Luciana Bruzadin apresentou o projeto Apolônias do Bem, que desde 2012 oferece tratamento gratuito para mulheres que sofreram agressões bucais graves e que acarretaram na perda dos dentes. Mais de 1000 mulheres já foram reabilitadas pelo programa.

No entanto, nem em todos os casos é possível salvar e recuperar a vítima. A convidada Profa. Dra.Jamilly de Oliveira Musse explicou como utiliza a genética para solucionar casos de agressão sexual seguidas de assassinato.

 

4. Aspectos jurídicos 

Na área de Odontologia Legal também é possível trabalhar mais próximo dos tribunais e do direito. É o caso de quem escolhe seguir carreira como assistente técnico. Em processos judiciais em que não há chance de acordo, o profissional pode ser contratado por uma das partes para analisar com mais detalhes o caso e elaborar os argumentos com conhecimento científico e com base na análise de um perito, para só então passar pela escolha do juiz.

Neste trabalho, ética é um dos principais pilares, mesmo que a atuação do assistente seja parcial. Para debater o assunto, o Congresso convidou a Profa. Dra. Janaína Paiva Curi Beaini e o Prof. Dr. Marcos Vinícius Coltri.

Em outra perspectiva, o cirurgião-dentista também pode trabalhar na resolução de casos de fraude. É o trabalho da Profa. Dra. Regina Juhás, que analisa com a ajuda de softwares casos suspeitos e que podem ter sido alterados. Algumas vezes, profissionais usam até mesmo imagens da internet para tentar enganar os planos.

Em relação com o tema, o Prof. Dr. André Chidichimo de França falou sobre a proteção de dados na área da saúde e como a nova lei deve afetar a Odontologia Legal. As novas aplicações devem melhorar os índices de fraude e trazer mais segurança para os pacientes.

 

O Congresso também apresentou as seguintes palestras: 

  • Marcas de mordida – Prof. Dr. Jeidson Antônio Morais Marques
  • Laudos Periciais: expectativa do magistrado – Prof. Dr. Luiz Silva Costa
  • Aspectos da criminalística de interesse pericial – Prof. Dr. Celso Perioli
  • Identificações não convencionais em Antropologia – Prof. Dr, Luiz Roberto de Oliveira Fontes.
  • DVI: Caso Brumadinho – Prof. Dr. Geraldo Elias Miranda
  • Mídias Sociais em Odontologia
    • Prof. Dr. Rodolfo Francisco Haltenhoff Melani
    • Prof. Dr. Dalton Luiz de Paula Ramos
    • Prof. Dr. Edgard Michel Crosato
    • Prof. Dr. Luiz Eugênio Nigro Mazzilli

 

Texto e fotos por Gabrielle Torquato

Skip to content