(Português) USP cria agência para gestão da informação acadêmica

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Agência atuará na implementação das bibliotecas polos e na criação do Escritório de Comunicação Acadêmica

A USP criou uma agência que será responsável pela gestão dos dados gerados a partir do conhecimento produzido na Universidade e pelo desenvolvimento de serviços e produtos que promovam o acesso, a visibilidade e o impacto dessa produção. Trata-se da Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica (Aguia).

A Aguia, que abarcou as atividades desenvolvidas pelo Sistema Integrado de Bibliotecas (Sibi), vai trabalhar em três frentes: na implementação das bibliotecas polos, na criação do Escritório de Apoio ao Pesquisador e na incrementação do repositório da produção intelectual da USP. Essas atividades têm como finalidade tornar a produção científica da USP mais conhecida no exterior.

“A crescente complexidade dos sistemas digitais de informação acadêmica e científica, a internacionalização, a necessidade de garantir a preservação física e digital de conteúdos relevantes implica aperfeiçoar processos, capacitar pessoas e aprimorar a infraestrutura, de modo a atender às demandas da comunidade universitária. Ao mesmo tempo, é urgente promover o mais amplo acesso e visibilidade da produção intelectual gerada na própria Universidade”, avalia o presidente da agência, Jackson Cioni Bittencourt.

Bittencourt, que foi diretor do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), foi designado para a função no início do mês de setembro, ao lado da nova vice-presidente da agência e vice-diretora da Escola de Comunicações e Artes (ECA), Brasilina Passarelli.

Segundo ele, a proposta é que as 48 bibliotecas da Universidade atuem como polos de atendimento, estudo, leitura, permanência e capacitação da comunidade universitária de acordo com as potencialidades de cada campus. “As bibliotecas continuarão a exercer suas funções tradicionais, agregando efetivamente atividades relacionadas ao apoio ao pesquisador, promoção da produção intelectual da Universidade, das práticas de ciência aberta e acesso aberto”, afirma.

 

Jackson Cioni Bittencourt e Brasilina Passarelli são os novos presidente e vice-presidente da Agência

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Ciência aberta é um termo que reflete a forma como as novas tecnologias estão mudando o futuro da ciência, fazendo com que a pesquisa seja mais colaborativa, aberta, transparente, eficiente e efetiva.

O acesso aberto refere-se à disponibilidade e acesso gratuito por qualquer pessoa aos resultados de pesquisas científicas. Baseia-se na premissa de que o conhecimento científico é um bem público e, portanto, deve estar disponível a todos. É uma alternativa ao modelo tradicional de publicação que restringe o acesso ao conteúdo por meio de assinaturas pagas.  O acesso aberto é normalmente disponibilizado no site da própria publicação, de acordo com a política do editor, ou por meio de depósito em um repositório institucional ou temático.

Experiências internacionais

Já o Escritório de Apoio ao Pesquisador, em colaboração com a Pró-Reitoria de Pesquisa, terá como principais missões a promoção de políticas e recursos de acesso aberto, a expansão e manutenção do repositório institucional da USP, além do apoio ao pesquisador na identificação, visibilidade, pesquisa, escrita e redação.

Atualmente, o repositório institucional da Universidade é formado pelo Catálogo Dedalus, pelo Portal de Busca Integrada, pelo Portal de Revistas, pelo Portal de Livros Abertos, pelo Portal de Obras Raras, Históricas e Especiais e outras bibliotecas digitais, que congregam cerca de 710 mil itens disponíveis on-line. Em 2018, os portais de Revistas e de Livros abertos tiveram mais de 15 milhões de downloads de conteúdos.

O modelo da agência tem como base experiências semelhantes desenvolvidas em instituições de ensino superior de outros países, como a Universidade da Califórnia e a Universidade de Harvard.

As próximas etapas para a implementação da Aguia, considera Bittencourt, é “planejar, em conjunto com as unidades e as bibliotecas, as mudanças pretendidas, trabalhando com planejamento estratégico, indicadores e metas”. O presidente acrescenta que a Aguia deverá trabalhar em colaboração com outras estruturas da Universidade, como o Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho Acadêmicos (Egida).

 

======================================================

Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica

Universidade de São Paulo

atendimento@aguia.usp.br
 

Skip to content