(Português) FOUSP na Mídia: Desafio do combate à violência doméstica começa na saúde

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Pode-se atribuir diferentes razões que dificultam o enfrentamento aos maus tratos, inclusive atitudes dentro do sistema de saúde. O professor Rodolfo Melani, coordenador do Laboratório de Antropologia e Odontologia Forense da Faculdade de Odontologia da USP, pensa que um dos entraves para o enfrentamento à violência doméstica “é o fato de os profissionais da saúde não receberem informações a respeito de como agir em situações suspeitas.”

Para ele, do ponto de vista clínico, “não há comportamento que seja entendido como um fator que caracteriza intrinsecamente aquele quadro [de violência], ou seja, um fator patognomônico.” Há diversas características que podem indicar que uma criança sofre maus tratos, desde fatores físicos até mesmo psicológicos. Por exemplo, uma queda não necessariamente está vinculada à violência, mas pode indicar algo, assim como o modo que a criança age diante do médico. É por isso que é importante o profissional possuir algum repertório para que ele tenha capacidade de fazer uma análise e, se necessário, encaminhar o caso para o Conselho Tutelar. Rodolfo diz que, no entanto, um médico não tem a obrigação de dar um diagnóstico com certeza. O seu dever é perceber uma série de aspectos (físicos ou mentais) que indique uma possibilidade, para que assim ele consiga levar ao órgão principal, que fará análises mais aprofundadas e tomará as medidas cabíveis.

Pensando em tudo isso, o professor formulou, em 2015, uma Cartilha em conjunto com alguns alunos, que tinha como objetivo mostrar a cirurgiões-dentistas como deveriam agir em casos com suspeita de maus tratos em crianças e adolescentes. O conteúdo do documento vai, desde uma detalhada explicação sobre o que é violência doméstica e quais os seus tipos, até a explicação de como e em quais órgãos denunciar. Há também um guia prático que detalha como reconhecer alguns sinais em uma consulta. Para Melani, essa cartilha teria o propósito de fornecer tais informações principalmente por conta de uma posição privilegiada com que conta o especialista: “o fato de um cirurgião dentista acompanhar essas crianças semanalmente ou durante alguns meses, desde que ele tenha essas informações no seu repertório, facilita o entendimento, a percepção desse quadro.”

Para o professor, já há um aumento gradativo do conhecimento sobre o assunto dentre os profissionais de saúde. É claro que tal compreensão começa sempre na faculdade. O professor ministra as aulas de Odontologia Forense e o tema violência doméstica já faz parte de sua disciplina. Para ele, os alunos, a partir dos estudos, adquirem repertório para “a informação, que é fundamental para diagnosticar ou estabelecer a possibilidade que a criança esteja sofrendo maus tratos.”

O próximo passo para ele é orientar uma pesquisa que tentará avaliar os níveis de compreensão sobre violência doméstica em diferentes áreas relacionadas à odontologia. Ainda no início de sua elaboração, ela consistirá em um questionário voltado a alguns setores profissionais da área que tentará se aprofundar acerca do entendimento dos dentistas a respeito do tema. Para ele, há uma importância porque, além da informação, o enfrentamento do problema poderá ser alcançado, afinal de contas, é através da divulgação que se adquire o conhecimento a respeito de um assunto.

Publicado em Agência Universitária de Notícias 

Skip to content