(Português) Live sobre Odontologia do Esporte: fraturas dentais decorrentes da prática esportiva

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Na última terça-feira, dia 21 de julho, teve início o evento “Odontologia do Esporte – Uma abordagem multidisciplinar”, uma série de quatro encontro para discutir e aprofundar a temática, que apresenta inúmeras minúcias significativas para a odontologia. A organização foi possível por meio da união de três frentes da FOUSP: a Liga Interdisciplinar de Odontologia do Esporte (LIOE), a Liga Interdisciplinar de Estética em Odontologia (LIESTO) e a Liga Acadêmica de Endodontia (LAE).

Essas palestras foram organizadas para transmitir o conhecimento neste momento de isolamento social, no qual não é possível estar em sala de aula. Por isso, optaram pela transmissão através de lives no canal da LIOE no YouTube. A primeira palestrante foi a Profa. Dra. Neide Pena Coto, do Departamento de Cirurgia, que ficou responsável por abordar “Fraturas Dentais Decorrentes da Prática Esportiva”.

No início a professora teve o cuidado de analisar o que significa essa chamada fratura dental, explicando que um impacto muito forte representa uma energia na face da pessoa, gerando uma transformação morfológica, e isso recebe o nome de trauma. Posteriormente, enumerando a diversidade de possibilidades de impactos e lesões, entre cabeça e cabeça, cabeça e joelho, cabeça e pé, na prática esportiva. Sendo o futebol um dos esportes de maior risco, com muitos casos, por conta do descuido e uso quase zero de protetores bucais.

Após essa breve contextualização, a docente trouxe alguns casos de jogadores de futebol famosos que passaram pela FOUSP. Que após algum trauma dentário ou de face, teve que utilizar protetor bucal nos treinos e jogos. Isso, só demonstra a importância do cirurgião-dentista como profissional especializado em cabeça e pescoço, sendo o mais capaz para produzir protetor bucal individualizado, para cada demanda, quanto ao esporte e a pessoa que irá utilizar.

Seguindo ainda a explicação na linha de esporte de alto nível, a professora da FOUSP detalhou que o protetor bucal dá maior estabilidade ao atleta, e muitas vezes uma maior autoconfiança por se sentir mais seguro. Todos esses aspectos podem resultar em maior rendimento para o esportista, mas não é algo que tenha um estudo finalizado, comprovando a teoria, como a Dra. Neide Coto faz questão de pontuar.

 

Para acompanhar toda a palestra,  acesse:

Skip to content