(Português) FOUSP na mídia: A importância da odontologia no atendimento ao paciente com Covid-19

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

publicado na Folha de São Paulo

 

Tratamento reduz complicações e melhora a resposta aos cuidados médicos

Juliana Bertoldi Franco

Cirurgiã-dentista do Hospital das Clínicas da FMUSP (HAS/ICHC) e doutoranda em Patologia Oral e Pacientes Especiais (FOUSP)

Denise Abranches

Cirurgiã-dentista, professora doutora e chefe do Serviço de Odontologia do Hospital São Paulo/Unifesp.

Ana Estela Haddad

Cirurgiã-dentista, professora associada da Faculdade de Odontologia da USP e ex-diretora de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (2005-2012, governos Lula e Dilma)

No nosso imaginário, o(a) dentista está no consultório, junto à cadeira odontológica com sua auxiliar, associado ao “cheiro de dentista” (cheiro de cravo clássico) e o seu famoso motorzinho.

No Brasil, o dentista foi incluído no SUS (Brasil Sorridente, a partir de 2003), integrando as Equipes de Saúde da Família e atuando também nos demais níveis de atenção.

?A atenção integral à saúde deve vir antes e determinar o uso que se fará das novas tecnologias?, Ana Estela Haddad, diretora de relações institucionais da Associação Brasileira de Telemedicina e Telessaúde
A professora e cirurgiã-dentista Ana Estela Haddad

O que em geral não nos damos conta é que o dentista também atua nos hospitais, atendendo pacientes, na resolução de quadros de dor de dente, infecção dentária ou outras complicações orais.

O cuidado com a saúde bucal tem total relação com uma melhor resposta ao tratamento médico, é fundamento prévio a procedimentos como os transplantes de órgãos e tratamento oncológico. A odontologia hospitalar une a técnica e a ciência da profissão com o conhecimento da saúde geral e atua em equipe multiprofissional.

E em tempos de pandemia por Covid-19? Os dentistas estão na linha de frente dentro dos hospitais atuando juntamente com médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, atendendo os pacientes à beira do leito nas UTIs e nas enfermarias, muito longe da visão clássica do dentista e sua cadeira odontológica.

Os atendimentos odontológicos são essenciais nos pacientes com Covid-19 devido às alterações bucais que ocorrem pelo longo período de intubação, como machucados nos lábios e língua, assim como a necessidade de conter sangramento dessas áreas, colocação de aparelhos dentro da boca (para que os pacientes parem de morder o tubo da ventilação mecânica), retirada de dentes pelo risco desses se soltarem durante este período, diagnóstico de doenças e lesões orais, realização de procedimentos odontológicos por conta de dor de dente ou de gengiva e o tratamento das infecções orais.

Adaptações da estrutura e da forma de realizar o atendimento possibilita que o dentista possa tratar o paciente no próprio leito de internação, resolvendo o problema sem que seja necessário o seu deslocamento para o consultório odontológico.

O dentista Ivan Biazon se paramenta para atender casos de urgência e emergência durante a pandemia de coronavírus – Arquivo Pessoal

Dentro do maior hospital público da América Latina, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, os dentistas que fazem parte do corpo clínico, juntamente com os alunos residentes (dentistas já formados cursando o programa de Residência em Odontologia Hospitalar), paramentam-se e se organizam para o atendimento aos pacientes com Covid-19, pois um dos prédios do hospital está destinado ao atendimento exclusivo para o coronavírus, totalizando 300 leitos de UTI e 600 de enfermaria.

A demanda odontológica é crescente e extremamente dependente do tempo de intubação a que os pacientes são submetidos. Além dos atendimentos odontológicos (aplicação de laser de baixa potência nas lesões orais traumáticas, extração dentárias, instalação de protetores bucais, contenção de sangramento e remoção de focos infecciosos), a equipe de odontologia realiza treinamentos de protocolos de higiene oral com a equipe de enfermagem, para que a realizem nos pacientes em UTI.

A própria equipe elabora artigos científicos sobre os procedimentos realizados durante a pandemia por Covid-19, avaliação dos dados pertinentes a esses pacientes que evoluíram para um quadro grave da doença e promove a capacitação dos alunos e de dentistas de outros hospitais.

A literatura cientifica e a prática diária mostram os benefícios dos cuidados com a saúde bucal. O tratamento odontológico é fundamental para a redução de complicações, melhora da resposta ao tratamento médico instituído e implementação da qualidade de vida e conforto oral do paciente.

Quem ganha com a presença e a atuação do dentista nos hospitais? A saúde de todos.

Skip to content