(Português) USP anuncia plano para o retorno gradual das atividades presenciais

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O documento define protocolos, oferece recomendações e apresenta orientações aos gestores e aos membros da comunidade universitária

Editorias: Institucional – URL Curta: jornal.usp.br/?p=347580

Reitoria anunciou, no dia 19 de agosto, o Plano USP para o retorno gradual das atividades presenciais. O documento define protocolos, oferece recomendações e apresenta orientações aos gestores e aos membros da comunidade universitária para a viabilização progressiva das atividades acadêmicas e administrativas presenciais nos campi, que estão suspensas desde o dia 17 de março, por conta da pandemia da covid-19.

O anúncio foi feito no evento virtual Os desafios para uma volta segura aos campi da Universidade, transmitido pelo Canal USP, e que contou com a participação de quase 11 mil espectadores. “Nosso plano é flexível, apresenta as diretrizes básicas aos dirigentes e mantém nossa filosofia de adotar decisões compartilhadas e descentralizadas”, afirmou o reitor Vahan Agopyan.

Ainda em sua fala, Agopyan citou a importância da manutenção da excelência da Universidade, que é reflexo da autonomia universitária conquistada pela USP, Unesp e Unicamp há mais de trinta anos. “Temos que lutar pela nossa autonomia todos os dias, pois esta parece não ser bem compreendida pela sociedade”, disse ao comentar sobre o projeto de lei 529/20 apresentado pelo Governo do Estado à Assembleia Legislativa, que prevê uma série de “medidas voltadas ao ajuste fiscal e ao equilíbrio das contas públicas”; entre elas, algumas que afetam diretamente as universidades públicas paulistas e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). “O Cruesp [Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas] está discutindo o projeto de lei e estamos em contato contínuo com o Executivo e o Legislativo”, assegurou.

Cinco fases

O Plano USP foi elaborado pelo grupo de trabalho coordenado pelo vice-reitor Antonio Carlos Hernandes que tem atuado na elaboração do planejamento de readequação do ano acadêmico de 2020. “A essência do plano é a proteção e a preservação da saúde e da vida da nossa comunidade”, destacou Hernandes, no início de sua apresentação.

O vice-reitor Antonio Carlos Hernandes falou sobre as ações previstas no plano – Foto: Reprodução

De acordo com o vice-reitor, o Plano USP, que se baseia parcialmente no Plano SP do Governo do Estado, é constituído por cinco fases, que vão de A a E, sendo a primeira a mais restritiva e a E classificada como “normal 2021”, quando se espera a retomada completa das atividades presenciais da Universidade e o retorno de toda a comunidade universitária. Para passar de uma etapa para outra, menos restritiva, o campus tem de permanecer em determinada fase por, pelo menos, quatro semanas.

Como as regiões do Estado encontram-se em níveis diferentes de contaminação e de registro de número de casos e óbitos, a flexibilização do retorno das atividades será adotada de forma diferenciada em cada campus da Universidade.

Atualmente, dos oito campi da USP, apenas o de São Paulo poderá retomar parcialmente suas atividades de forma imediata, privilegiando o acesso aos laboratórios de pesquisa. Caberá ao dirigente da Unidade de Ensino e Pesquisa a responsabilidade pela convocação dos servidores e pesquisadores que deverão trabalhar presencialmente e o número não deve ser superior a 30% do total de pessoal da área.

“Nosso plano é flexível, apresenta as diretrizes básicas aos dirigentes e mantém nossa filosofia de adotar decisões compartilhadas e descentralizadas”, afirmou o reitor Vahan Agopyan – Foto: Reprodução

Hernandes ressaltou que o retorno é “facultativo, gradual e progressivo” e, para essa retomada, deverão ser adotados todos os protocolos de prevenção e redução de riscos. Para atender a essa demanda, a Reitoria irá disponibilizar para a comunidade 200 mil máscaras, 150 mil protetores faciais, álcool-gel 70% e sabonete líquido.

 

As aulas de graduação e de pós-graduação no segundo semestre continuarão a ser ministradas de forma remota e o teletrabalho deverá ser mantido sempre que possível. Clique aqui e acesse o documento.

 

Dinâmicas diferentes

O encontro também contou com a exposição do professor da Faculdade de Medicina e coordenador do grupo de trabalho USP Covid-19, Esper Kallás, que falou sobre a atual situação da pandemia. Segundo ele, o Brasil registra hoje, dia 19 de agosto, 3.411.872 casos e 110.037 mortes. No Estado de São Paulo, são 711.530 casos e 27.315 óbitos registrados. “Temos dinâmicas diferentes da disseminação na região metropolitana de São Paulo e nas cidades do interior”, explicou.

Em relação à tão esperada vacina, Kallás afirmou que 172 produtos estão em desenvolvimento no mundo e em fases diferentes dos ensaios clínicos. Seis deles encontram-se na fase 3, que é a última etapa de estudo antes da obtenção do registro sanitário e tem por objetivo demonstrar a sua eficácia. Somente após a finalização do estudo de fase 3 e obtenção do registro sanitário é que a nova vacina poderá ser disponibilizada para a população. Um desses seis produtos é a vacina Sinovac, cujos ensaios estão sendo conduzidos pelo Instituto Butantan.

Situação financeira

Outro assunto abordado no evento foi a situação financeira da Universidade, que foi apresentada pelo coordenador da Administração Geral (Codage), Luiz Gustavo Nussio.

Nussio explicou que, apesar de não haver perdas severas na arrecadação do ICMS e nos repasses do governo para a Universidade de janeiro a julho, o momento é de cautela, pois o cenário econômico atual é “volátil e incerto”. Nesse período, o total acumulado do comprometimento do orçamento com a folha de pagamento foi de 93,57%.

“Estamos com uma situação financeira controlada, mas há muita incerteza e não sabemos como o mercado vai reagir nos próximos meses. A Codage e a Comissão de Orçamento e Patrimônio estão fazendo o acompanhamento diário das informações econômicas junto aos órgãos do governo”, considerou o reitor.

Ao final do evento, os espectadores tiveram a oportunidade de enviar perguntas aos expositores.

 

 

 

 

 

Assista, a seguir, à íntegra do encontro.

 

 

 

.

Skip to content