(Português) Jornada Acadêmica da Liga Interdisciplinar de Implantodontia: “A utilização de concentrados sanguíneos na implantodontia”

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A segunda palestra do primeiro dia da Jornada Acadêmica da Liga Interdisciplinar de Implantodontia (LII) da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP) abordou “A utilização de concentrados sanguíneos na implantodontia”, tendo como foco ampliar os conhecimentos sobre implantologia dos alunos de graduação da casa.

O convidado para ministrar a palestra foi o Prof. Dr. Hamilton Navarro Junior, graduado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), especialista em prótese dentária e implantodontia pela FOUSP, especialista em cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial pela Associação Brasileira de Odontologia (ABO), mestre em implantodontia pela São Leopoldo Mandic, e docente do departamento de pós-graduação de cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

O convidado começou explicando os principais desafios da implantodontia, listados como a formação, manutenção e reparação tecidual, para que os casos tenham cada vez mais sucesso e longevidade. Relacionando ao fato do tempo necessário para que as respostas biológicas ocorram, com ênfase em procedimentos que abreviem ao máximo o tempo de reparação.

A questão de tempo é um ponto extremamente complicado na implantodontia, segundo o professor qualquer biomaterial, por melhor que ele seja, sempre vai retardar um pouco o reparo, por conta do organismo demorar um tempo para chegar até esse reparo, com osso disponível para a cirurgia.

Abordando o potencial regenerativo das plaquetas, o Dr. Hamilton Navarro Junior, apresentou uma evolução nos estudos no decorrer dos anos. Com destaque para o fator de crescimento contidos nos grânulos alfa das plaquetas, e sua capacidade de estimular a proliferação celular, a remodelação da matriz e a angiogênese. Em síntese, acelerando em muito a cicatrização do local, elemento de extrema importância para a intervenção cirúrgica.

Tendo esse primeiro panorama explicado, seguiu na linha de obter o melhor resultado cirúrgico para cada paciente, com protocolo adequado. Como a escolha do material, não optando pelo mais famoso ou mais caro, mas criar uma noção crítica com um material de qualidade para cada caso, combinando um biomaterial e membrana conforme a expectativa de ter osso no tempo esperado. E por último uma técnica cirúrgica apurada, se especializando cada vez mais com o passar dos anos, como uma incisão e sutura adequada.

Posteriormente, o professor falou um pouco do concentrado de plaquetas, chamado de Plasma Rico em Plaquetas (PRP). Com notoriedade por muito tempo, principalmente na década de 1990, aplicado na cirurgia oral, reconstrução oral, bucomaxilofacial e procedimentos de reconstrução para implantodontia e medicina estética, visando acelerar o reparo da ferida cirúrgica e a regeneração óssea. Contudo, após diversas pesquisas e estudos, começou a ser questionada a real eficácia do PRP no aumento da velocidade de cicatrização de tecidos duros, por conta da curta duração da liberação de fatores de crescimento.

Mesmo com as dúvidas quanto a eficácia do PRP ele continua tendo sua importância,com uma significativa ativação na regeneração de tecido e cartilagem. Com outros estudos na área, há o Plasma Rico em Fibrina (PRF) que tem um fator para prevenir infecções. Além disso, o PRF contém plaquetas, fatores de crescimento e citocinas que apresentam um potencial de cura tanto de tecidos moles quanto duros. Tendo um intervalo maior na liberação desses fatores de crescimento, de maneira lenta e mais controlada.

Ao final da aula o Prof. Dr. Hamilton Navarro Junior respondeu a questões e dúvidas da publicação que acompanhava a aula. E foi taxativo ao responder uma pergunta quanto ao uso de PRF na vivência cotidiana de consultório, que é totalmente possível e acessível, e recomenda o uso do protocola cada vez mais, quando possível, de acordo com a realidade de cada profissional e clínica.

 

Para conferir a aula do Prof. Dr. Hamilton Navarro Junior, sobre “A utilização de concentrados sanguíneos na implantodontia”, na íntegra, acesse:

Skip to content