(Português) Mais um dia cheio de atividades no Interligas

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

No segundo dia do evento Interligas, em 15 de setembro, organizado pelo Centro Acadêmico XXV de Janeiro, e transmitido de forma totalmente online, mediante inscrição prévia, duas palestras foram apresentadas, como forma de discutir e aprofundar assuntos da odontologia no meio acadêmico.

O primeiro evento foi idealizado pela Liga de Anatomia Odontológica (LAO), em conjunto com a Liga Interdisciplinar de Emergências Médicas (LIEME), trazendo o tema de “Urgências no Tratamento Endodôntico”. Para isso, a Profa. Dra. Mary Caroline Skelton Macedo, do Departamento de Dentística conduziu a atividade.

A professora fez questão de explicar os quadros de urgência, quais os fatos que caracterizam uma necessidade imediata de atendimento, traçando um paralelo entre um momento pré-pandemia e o contexto atual, com os novos riscos e desafios impostos pelo coronavírus. Afinal, no presente momento determinadas técnicas de tratamento — como as que geram aerossóis — estão sendo substituídas, quando possível, por uma alternativa de intervenção mínima.

Ainda na linha de atendimentos de urgência, a Dra. Mary Caroline Skelton Macedo apresentou um documento que auxilia os cirurgiões-dentistas a analisarem os casos, para saberem qual a decisão mais assertiva a ser tomada. Afinal, não há um consenso ou exatidão do que é um caso que exige intervenção imediata ou não. O documento citado foi elaborado pelo National Health Service (NHS), Serviço Nacional de Saúde em português, que é o sistema de saúde britânico, semelhante ao SUS brasileiro.

Traduzido do inglês para o português e espanhol, com colaboração da docente, o documento inglês apresenta situações que remetem a três classificações: conselhos de autocuidado, cuidado urgente e cuidados emergentes.

O primeiro caso é a prescrição de analgésicos habituais, prescrevendo antibióticos apenas se houver sinais de inchaços e complicações sistêmicas (febre, mal-estar), acompanhando o quadro com o passar de 48 à 72 horas. O segundo, se o paciente estiver na fase de contágio, sem comprometimento das vias aéreas ou se o paciente apresentar sintomas recorrentes ou contínuos, encaminhar para o centro de atendimento de atendimento de urgências odontológicas designado para extração ou drenagem. Já o terceiro caso, relacionado a cuidados emergentes, é quando o paciente está em período de contágio junto ao comprometimento de vias aéreas, encaminhando ao serviço de emergência.

Posto isto, com três parâmetros básicos, a docente apresentou casos da endodontia, e como cada um deles se encaixava em uma das três posições (autocuidado, cuidado urgente ou cuidado emergente). E qual a tomada de decisão mais adequada em cada um dos pacientes analisados.

 

Segunda palestra do dia

 Ainda no segundo dia de Interligas, ocorreu às 18h a palestra sobre o “Clareamento dental e seus Reflexos na polpa”, organizada pela Liga Acadêmica de Endodontia (LAE) em parceria com a Liga Interdisciplinar de Estética em Odontologia (LIESTO). Para a discussão foi convidado o Prof. Dr. Renato Miotto Palo, especialista em endodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB-USP), mestre em endodontia pela Unesp em São José dos Campos, e também doutor em endodontia pela Unesp de Araraquara.

O professor iniciou sua aula com o questionamento se o clareamento é um tratamento de endodontia ou de estética. E para a explicação o profissional partiu do princípio que os conceitos são diferentes para cada caso, a parte estética está relacionada ao resultado, quanto tempo demorou para ser clareado e o quanto. Já a endodontia está relacionada a adversidades, como reabsorção em dentes não vitais e sensibilidade no vitais.

A questão problemática é focar no resultado e não no processo, em quais tratamento e técnicas foram utilizadas. Ainda dentro dessa perspectiva de necessidade de análise mais apurada de todo um contexto de clareamento, há as individualidades biológicas de cada organismo, de como cada é cada dente de cada um dos pacientes. Além disso, há uma diferença natural entre os dentes do mesmo paciente, considerando que cada um deles nasceu em um momento da vida e sofreu, e sofre estímulos e situações desiguais.

Posto isto, o professor Renato Miotto Palo analisou os diversos tipos de tratamentos, e quais os compostos existentes nos géis clareadores, e como funcionam as ações químicas nos dentes. Afinal, cada uma das marcas apresentam concentrações diferentes de compostos químicos, pHs díspares, até inconformidade em viscosidade (mais líquido ou mais gel).

Em seguida, o cirurgião-dentista explicou como funciona cada dente e suas peculiaridades, traçando um paralelo com os clareadores que estão disponíveis no mercado. E indicando como o profissional da odontologia necessita ter conhecimento e consciência de todos esses elementos para ter uma análise plena do paciente, afinal há inúmeras variáveis a serem consideradas. Todo esse panorama apenas reafirma o fato da necessidade de um profissional especializado no tratamento como o clareamento dental.

 

Skip to content