(Português) 3ª Semana de Conscientização: Saúde vs Preconceito

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O Centro Acadêmico XXV de Janeiro, da Gestão Combinação 2020, organizou a 3ª Semana de Conscientização para discutir temas de relevância tanto para odontologia como para toda a sociedade, mas que, infelizmente, nem sempre são abordados em sala de aula. O evento totalmente online, teve inscrição gratuita, sendo dividido em três palestras entre os dias 13, 14 e 15 de outubro.

A primeira retratou “Saúde vs Preconceito” e ocorreu na terça-feira às 14h, 13 de outubro, com participação de Denny Tavares, bacharel em educação física, pós-graduado em fisiologia do exercício e atuante no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). O encontro foi mais uma roda de conversa na qual Denny Tavares, que se autodeclara homem transsexual e heterossexual, explicou o panorama na qual as pessoas que não são heteronormativas padrão passam em diversos setores da sociedade.

O convidado contou o preconceito que sofreu, muitas vezes velado, com falas criticando ou duvidando de sua posição e seu modo de agir, se vestir, e se perceber como pessoa livre e completa. Afinal, Denny Tavares passou por um processo de autoconhecimento, com mudanças físicas que não eram compreendidas por muitas pessoas do seu ciclo social. Contou como sofreu em um caso, ainda na faculdade de educação física, durante aula prática de natação, na qual havia opção de um tipo específico de maiô ou uma sunga. Não se identificando para usar o maiô, mas ao mesmo tempo não estando pessoalmente pronto para usar uma sunga. Este foi só um dos momentos no qual ele foi excluído, não participando ativamente e completamente da sociedade.

Com foco na questão de saúde, Denny Tavares contou como é uma área na qual as pessoas que não são cisgênero acabam negligenciadas. Afinal, o preconceito que está inserido na sociedade afeta diretamente os profissionais de Unidades Básicas de Saúde (UBS), além do serviço oferecido. Outro fator que faz o atendimento não apresentar a qualidade desejada é o desconhecimento das necessidades e demandas, por parte dos profissionais de UBS, das pessoas transsexuais que procuram a consulta.

O palestrante hoje integra um grupo especializado em saúde, com profissionais de diversas área, como médico, cirurgião-dentista, psicólogo, psiquiatra, nutricionista, assistente social e profissional de educação física. Deste modo, traçando um paralelo com o passado, momento no qual procurou por ajuda e um atendimento especializado, atualmente, o serviço presta um auxílio que acolhe melhor pessoas não cisgênero. Contudo, a saúde pública brasileira e o Sistema Único de Saúde (SUS) ainda têm muito o que evoluir, posto que até 1997 a cirurgia de redesignação sexual era proíba e que até 2008 o SUS não tinha nenhum suporte em relação ao processo transexualizador.

Ao final, Denny Tavares destacou como o preconceito contra pessoas transsexuais afeta diretamente a vida em preceitos práticos, além do prejuízo psicológico. Afinal, com o preconceito as pessoas transsexuais acabam tendo maior dificuldade em conseguir oportunidades de trabalho, estágio e demais iniciativas da vida civil. Por isso, Denny Tava se considera um privilegiado por ter conseguido ingressar no ensino superior, se graduar, e hoje trabalhar no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) pelo SUS.

 

Skip to content