(Português) I Jornada Acadêmica da LIOE

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A Liga Interdisciplinar de Odontologia do Esporte (LIOE)  realizou sua I Jornada Acadêmica, sendo dividida em três dias. O evento, realizado de forma totalmente online, através de palestras transmitidas no canal da LIOE, com o objetivo de enriquecer a discussão e aprofundar determinados assuntos da Odontologia do Esporte. Para isso, a Liga convidou profissionais exemplares, atuantes na área, para as aulas da Jornada.

 

Primeiro dia de Palestras

O evento da Jornada teve início no última segunda-feira, 16 de novembro, abordando a “Farmacologia na Odontologia do Esporte e o risco de doping no paciente atleta”, tendo como palestrante o Dr. Lucas Thomazotti Berard, cirurgião-dentista formado pela casa, mestrando em Reabilitação Oral, com ênfase em Odontologia do Esporte, membro aspirante na Academia Brasileiro de Odontologia do Esporte (ABROE), e profissional de odontologia do Santos Futebol Clube.

A palestra teve o foco em quais medicamentos não devem ser prescritos aos atletas profissionais durante competições, para não gerar doping positivo, quais devem ser abordagens e condutas do cirurgião-dentistas com o atleta, considerando doping. Explicou sobre as funções de um profissional envolvido com a odontologia do esporte, como segmentos teóricos e práticos podem prevenir, tratar, reabilitar e compreender a influência das doenças da cavidade bucal no desempenho dos atletas profissionais e amadores. Tendo como finalidade melhorar o rendimento esportivo e prevenir lesões, considerando as particularidades fisiológicas dos atletas, a modalidade que praticam e as regras do esporte.

Perante a influência que a saúde bucal pode ter no desempenho esportivo, tanto físico quanto psicológico, há inúmeras áreas de atuação, de forma interdisciplinar, cerceando questão oclusal e o equilíbrio postural, corrosão dental causada pelo consumo excessivo de bebidas esportivas isotônicas, terapêutica medicamentosa e fármacos que podem gerar doping, traumas e fraturas dentárias, protetores bucais e faciais.

O palestrante, Dr. Lucas Thomazotti Berard, detalhou alguns casos de doping, comentando medicamentos utilizados por conta de fadiga muscular e que foram classificados como substâncias proibidas em diversas competições de respeito ao longo da história, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Deste modo, a aula explicou com detalhes o processo de análise de amostras (urina, sangue, cabelo e saliva) durante casos de testes de doping, como o do ex-jogador de futebol argentino Maradona, do ciclista Lance Armstrong, do futebolista peruano Paolo Guerrero, da tenista Sharapova, da judoca brasileira Rafaela Silva, do jogador do São Paulo Gonzalo Carneiro, da velocista e saltadora Maurren Maggi, do jogador brasileiro Romário.

 

Segundo dia de Palestras

Na terça-feira, 17 de novembro, a palestra teve “A relação entre oclusão e equilíbrio postural” como tema, com a convidada Dra. Gisele Costa Maffei, Especialista em Odontologia do Esporte pela São Leopoldo Mandic, Especialista em Odontologia Estética pelo Senac, Coordenadora do Departamento de Odontologia do Santos F.C. e do Basquete Club Athletico Paulistano, e Oficial de Controle de Dopagem (ABCD).

A palestrante, Dra. Gisele Costa Maffei, destacou como cada vez mais, profissionais que trabalham com alto rendimento físico (técnicos, treinadores e preparadores) têm dado maior atenção a novas áreas de conhecimento que possam contribuir com a precisão de resultados e com o aumento da performance, sendo a odontologia uma delas.

Há uma relação de análise entre o sistema estomatognático (oclusão) e o sistema tônico postural (equilíbrio), sendo uma área multidisciplinar, considerando que o organismo humano está interligado em diversos aspectos. Como a boa postura é de extrema importância para um estado de equilíbrio musculoesquelético, com características como: luta contra gravidade, manter a postura ereta, opor-se às forças externas, equilibrar-nos durante o movimento, guiar e reforçar o movimento.

Posto a importância do equilíbrio na prática esportiva de alto rendimento, há possibilidade de tratamento com dispositivo reposicionador mandibular, protetor bucal e demais ajustes através de acréscimo ou redução da estrutura dentária.

 

Terceiro dia de Palestras 

A última palestra, da I Jornada Acadêmica, da Liga Interdisciplinar de Odontologia do Esporte (LIOE) retratou “Protetores bucais esportivos”, com a Profa. Dra. Clara Padilha como convidada, cirurgiã-dentista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Especialista em Endodontia e em Odontologia do Esporte, Doutora em Odontologia pela UFSC, Presidente da Comissão de Odontologia do Esporte do CRO-SC, e Presidente da Academia Brasileira de Odontologia do Esporte (ABROE).

A professora demonstrou como o estudo sobre protetores bucais esportivos é vasto, apresentando inúmeras vertentes, mesmo ainda estando em uma crescente. Segundo a palestrante, Dra. Clara Padilha, os protetores bucais devem ser individualizados, atendendo a demanda e características necessárias para cada atleta e cada modalidade. Afinal, se o protetor bucal não atender as expectativas necessárias o atleta vai optar pelo rendimento próprio, e não pela segurança, deixando o protetor em segundo plano.

Há relevância quanto ao esporte de alto nível, entretanto, a maioria dos pacientes são atletas amadores, que praticam alguma modalidade esportiva como forma de inclusão social, qualidade de vida, saúde, beleza, estética, exercício físico ou lazer. Por isso, cabe aos profissionais de odontologia ter essa atenção com todos os seus pacientes, como forma de segurança, evitando eventos traumáticos, com lesões de boca e dentes. Afinal, a possibilidade de diversos traumas durante a prática esportiva é significante, podendo gerar consequências gravíssimas, em termos de saúde bucal.

A professora Clara Padilha comentou alguns tipos de protetores bucais, desde os que são comprados pelo próprio atleta e feito em casa, até os feitos em consultórios especializados, adaptados de forma individualizada para a prática esportiva de alto rendimento. Obviamente que essa diferença se reflete no custo, contudo há inúmeros pontos positivos no investimento, por estar passando por um profissional especializado no assunto.

 

Ir al contenido