(Português) Hall Technique (HT) e Tratamento Restaurador Atraumático (ART) como alternativas para dentes cariados de crianças

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O tratamento de dentes cariados de crianças é uma discussão sempre recorrente na odontopediatria, afinal há inúmeras minúcias que circunda o atendimento de crianças e que não estão presentes ao atender adultos, como: a falta de entendimento de dor, uma interação diferente com o profissional de odontologia, além da questão de um dente de leite. Pensando nisso, a Profa. Dra. Daniela Prócida Raggio, do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria, vem desenvolvendo um estudo de comparativo de custo benefício entre o Tratamento Restaurador Atraumático (ART) e a Hall Technique (HT) no manejo de lesões de cáries de molares, aplicada no ambiente escolar.

A Hall Technique é uma técnica recente, desenvolvida por uma cirurgiã-dentista do Reino Unido e que ainda está tomando forma no Brasil, sendo usada pelos brasileiro faz 20 anos. O diferencial é que a HT é uma técnica não invasiva, evitando injeções e perfurações, sendo teoricamente indolor e rápida, com uma primeira consulta para aplicação de elástico separador e um retorno para a cimentação da coroa de aço, resolvendo a problemática da cárie.

A análise do uso da HT ou de ART deve ser feito considerando inúmeros fatores, e cabe ao profissional de odontologia estar preparado para ter capacidade de avaliar qual a melhor técnica para cada um de seus pacientes: “primeiramente é importante pontuar que a HT é funcional apenas para dentes de leite, em segundo levar em consideração que a taxa de sucesso da Hall é de 95% aproximadamente. Entretanto, é necessário também ponderar outros parâmetros como a percepção das crianças em relação à qualidade de vida relacionada à saúde bucal (QVRSB) e o custo-efetividade de ambos os tratamentos”, detalhou a professora da FOUSP.

Um ponto de extrema relevância, considerando o contexto Brasil, é o fato da Hall ser mais cara que o ART. Isto deve-se ao fato de que as coroas de aço necessárias no tratamento serem todas importadas de países como o Estados Unidos, não tendo produção nacional, fato que encare. “O importante é que agora nós temos mais uma técnica, sendo mais uma opção para o dentista colocar em análise, para ver o que melhor atende ao paciente. Por isso, cabe ao cirurgião-dentista ser capaz de avaliar toda a situação, algo fundamental dentro da odontologia como um todo”, disse a docente.

Outro artigo de comparação é a questão entre público e privado, há diferença entre oferecer um tipo de tratamento no consultório particular e instalar como dinâmica de aplicação no Sistema Único de Saúde (SUS). Segunda a professora do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria: “há uma curva de aprendizado em qualquer técnica nova da odontologia, sendo necessário o treinamento dos profissionais do SUS. Por isso, mais uma vez, é necessário uma avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde bucal e do custo-efetividade. Afinal, nunca é válido refazer o tratamento, o custo fica mais caro para o Estado, por isso o profissional deve ser capaz de avaliar cada caso, em contrapartida sendo função da prefeitura oferecer toda estrutura para este profissional faça tal análise”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Texto: Gabriel Cillo

Skip to content