(Português) FOUSP na mídia: Leucoplasia: Doença oral silenciosa que necessita atenção

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

publicado no Jornal da USP

Por Dante Migliari, professor da Faculdade de Odontologia (FO) da USP, e Luciane Hiramatsu Azevedo, pesquisadora do Laboratório Especial de Laser em Odontologia da FOUSP

 

Dante Migliari – Foto: Arquivo Pessoal

 

Luciane Azevedo – Foto: Arquivo Pessoal

 

Aleucoplasia oral (LO) é uma lesão potencialmente maligna, que se manifesta como placa branca (lesão plana) nas superfícies da mucosa oral. Geralmente é uma lesão única, de caráter permanente, que necessita uma ação clínica, de terapêutica e monitoramento. A LO não está associada a uma causa específica, é doença de natureza essencialmente idiopática (sem causa aparente). Nos ambulatórios do Laboratório Especial de Laser em Odontologia e de Estomatologia Clínica, ambos da Faculdade de Odontologia da USP, a prevalência de leucoplasia oral é relativamente alta, pois constituímos um centro de referência.A leucoplasia oral pode afetar indivíduos jovens, mas é predominante na sexta e sétima década com maior prevalência no gênero feminino. Fatores externos que podem contribuir para o desenvolvimento e o agravamento da LO são o tabagismo e, sobretudo, o consumo crônico de bebida alcoólica. A supressão desses hábitos reduz o risco de malignização da lesão. Cerca de 1% dos casos podem ser sofrer malignização. Mas esta taxa pode ser maior, dependendo de fatores individuais (predisposição genérica) hábitos e localização das lesões.

Por ser lesão silenciosa (assintomática), as leocoplasias orais são normalmente observadas durante o exame de rotina da cavidade oral. Para sua detecção é importante que, nas visitas a consultórios odontológicos e médicos, seja solicitado exame da mucosa oral, especialmente nas áreas laterais da língua, assoalho da boca, gengiva, mucosa da bochecha, e os palatos mole e duro (céu da boca). Para a confirmação do diagnóstico clínico é necessário a realização de biópsia.

Esta é uma doença potencialmente maligna e não é possível prever qual paciente poderá desenvolver câncer oral resultante da transformação maligna da LO. Por isso, os pacientes com LO precisam ser monitorados periodicamente, em média de três a quatro vezes por ano. Esse monitoramento permite a detecção precoce de casos com transformação maligna.

Há muitas décadas, pacientes com leucoplasia oral são deixados sem reavaliação periódica. Um número expressivo desses pacientes que retorna (ou é encaminhado aos nossos ambulatórios) já exibe transformação maligna, muitas vezes em estágios avançados. A terapêutica consiste em remoção cirúrgica que pode ser realizada por cirurgia convencional, eletrocauterização, criocirurgia ou lasers de alta potência. O uso do laser de alta potência, de alta resolução cirúrgica, tem-se mostrado eficaz na redução acentuada (não na eliminação) do risco de malignização das LOs.

Além de ser uma doença idiopática, a leucoplasia oral é resistente e recidivante ao tratamento. Muitas vezes, há necessidade de novas intervenções. O monitoramento é necessário, independentemente do resultado do tratamento realizado.

Como a universidade pode ajudar no controle da LO?

É importante a concentração desses casos em local capacitado para o diagnóstico, tratamento e controle efetivo desses pacientes o que possibilitará um ganho considerável em eficiência, sobretudo na prevenção de transformações maligna. Tratando de centros de estudos clínicos, o acompanhamento dos pacientes serve-nos para avaliação epidemiológica ao longo dos anos.

Em resumo, a LO é a lesão oral de maior relevância no que concerne à ação preventiva do câncer oral.

Skip to content