(Português) 18/04/2022 – Comunicado do reitor sobre recomendações da Comissão Assessora de Saúde

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Conforme dados do Boletim Epidemiológico USP-Covid, divulgado no dia 13 de abril e disponível no site USP Retorno Seguro: https://retornoseguro.usp.br, a situação da pandemia da covid-19 no Estado de São Paulo continua melhorando.

Apesar dessa melhora consistente nos indicadores da pandemia, o uso de máscaras permanece obrigatório no transporte público e nos serviços de saúde, por determinação do Estado, e em todos os ambientes fechados da USP, por recomendação da Comissão Assessora de Saúde da Reitoria. A justificativa para isso é que as atividades acadêmicas exigem que os alunos permaneçam longos períodos próximos uns dos outros em ambientes fechados, o que favorece a transmissão do vírus — mesma lógica que o Estado utiliza para manter a obrigatoriedade no transporte público.

A Comissão Assessora de Saúde da USP debateu o tema na última quarta-feira, 13 de abril, e, por cautela, decidiu manter a obrigatoriedade das máscaras em ambientes fechados e reavaliar essa regra nas próximas semanas. O uso de máscaras também é recomendado em ambientes abertos dos campi, sempre que houver maior concentração de pessoas.

A Comissão também optou por aumentar o limite da taxa de ocupação dos refeitórios da Universidade para até 75% de sua capacidade, visto que esses locais são a única opção da alimentação para grande parte dos alunos e que não foi detectado nenhum surto de transmissão de covid-19 em decorrência do uso desses ambientes até o momento.

Vale lembrar que apenas pessoas vacinadas estão autorizadas a frequentar a Universidade e reforçamos a importância de que todos tomem as doses de reforço para proteção adicional.

Solicitamos colaboração para o cadastro dos comprovantes de imunização nos sistemas corporativos para que eles sejam validados pelas autoridades competentes, pois esses dados permitem o maior controle de eventuais surtos e a adoção de medidas sanitárias pertinentes.

 

Carlos Gilberto Carlotti Junior

reitor da USP

Skip to content